O maior sonho do homem machista é ser mulher.
Sabe aquela boneca frustrada que sempre critica as colegas do sexo feminino? Que está sempre colocando defeito porque, no fundo, morre de inveja?
O homem machista não pode se dar ao luxo de criticar dessa forma. Então o que ele faz é cobiçar, cobiçar muito, com o que ele acha que é sentimento de posse, ou de domínio.
Mas, na verdade, é o mesmo sentimento da trava invejosa: Querer ser, e não ter.
O macho não quer aquela bunda gostosa pra comer. Porque ele come, come, come, come e nunca está satisfeito: Ele deseja é ter uma bunda daquela. E só quando ele percebe, acidentalmente ou de outro jeito, que a sua bunda é que quer ser gostosa e comida… o cara pira. Literalmente.
Ou vira um louco homofóbico, ou sai do armário de vez, ou vira um dos tantos enrustidos que existem vagando por esse bundão, opa, mundão.

A mulher é o sexo forte. Por isso que gera tanto ódio. Se fosse mesmo o sexo frágil, não ia existir tanta gente, durante tantos séculos, querendo tirar o poder do feminino. Não ia existir tanto homem querendo ser mulher, muito mais do que mulher querendo ser homem.
Não ia existir tanto homem machista.
Sexo frágil é o do homem, que sempre precisa de algum artifício para ter poder: Uma arma, um carro, uma mulher.

PS: Não sou feminista; adoro o sexo frágil.

k

Anúncios