Sentimentos ruins.
Chegam como os bons, ficam o quanto queremos que fiquem.
Fazem mal o tempo que quisermos que façam.
Podemos escolher NÃO SENTIR?
Não.
Mas podemos escolher como reagir perante esses sentimentos destrutivos.
Nas nossas mentes imediatistas, queremos que passem logo, que nos deixem em paz.
Porém, (in)felizmente não é isso o que ocorre.
Então me lembro daquela passagem sobre o medo, e a aplico para os outros sentimentos:
Depois que ele passar por mim, verei com os olhos da alma o seu caminho. Apenas restarei eu.
Tudo aqui é aprendizado, e nada acontece por acaso. Tudo tem razão de ser.
Difícil é pensar nisso durante uma crise de ciúme. Difícil é não ser egoísta quando se está apaixonado – a paixão é egoísta.
MAIS UMA VEZ… a mesma situação. Eu já deveria ter me acostumado com isso.
k
Anúncios