dezembro 2008


W a i t i n g .
The clock works so slowly. It should be faster.
Fast like my mind works.
Faster is how my
wants to go.

I should stop it until it gets worse.
Until it gets deeper.
But I wanted to feel what I am feeling now. I asked for it.
I want to see what comes next.
I want to feel alive.

Will you come with me? CAN you come with me?
DO YOU WANT TO?
You can do anything if you want to.

Waiting.

In vain?

kay

Tava tudo tranquilinho na minha vidinha!

Agora não quero mais parar.

Essa indefinição me mata… e ao mesmo tempo vicia.

Sinto prazer quando é complicado.

Acho que eu sou masoquista, mesmo.

Mas eu preciso de definição, em tudo… todo mundo precisa.

Vamos ver até quando eu aguento.

Na verdade, eu não aguentei.

Não sei de mais nada.

k

 
DEFICIÊNCIAS – Mário Quintana

“Deficiente” é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
“Louco” é quem não procura ser feliz com o que possui.
“Cego” é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.
“Surdo” é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.
“Mudo” é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.
“Paralítico” é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.
“Diabético” é quem não consegue ser doce.
“Anão” é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:
“Miseráveis” são todos que não conseguem falar com Deus.

“A amizade é um amor que nunca morre. “

I want to tell you
My head is filled with things to say                                                                                                                                                                                                                      When you’re here                                                                                                                                                                                                                                                             All those words they seem to slip away
When I get near you
Things begin to drag me down
It’s alright
I’ll make you maybe next time around
But if I seem to act unkind
It’s only me, it’s not my mind
That is confusing things
I want to tell you
I feel hung up and I don’t know why
I don’t mind, I could wait forever
I’ve got time
Sometimes I wish I knew you well
Then I could speak my mind and tell you
Maybe you’d understand
I want to tell you
I feel hung up and I don’t know why
I don’t mind, I could wait forever
I’ve got time. I’ve got time

George Harrison

O errado um dia se encontrou com o gostoso… e fudeu tudo na vida de uma pessoa.

“Pois é. Este samba é pra você, ó meu amorrrrrrrrrrrrrr…”

Os princípios caem por terra quando o errado é gostoso. Por mais que a gente saiba que o gostoso é errado… ele é gostoso.

É a eterna luta da razão contra a emoção, que me faz refletir sobre para que então, servem os sentimentos.

Para quê, então, servem os sentimentos?

Quem disse que o grande barato de ser um animal racional e temente a Deus é reprimir os instintos era doido ou castrado, ou assexuado.

Mas aí se todo mundo não se controlasse, isso aqui seria uma grande esbórnia. Na verdade, já é uma grande esbórnia, porque tem muita gente que se deixa levar pelos instintos e tal. Pessoas como eu, que seguram suas próprias ondas, é que seguram a onda do mundo.

E que são as mais sem-graça também.

Oh my God. Alguém pode me dar uma luz??? 

Pode ser uma lanterna, um lampião, uma caixa de fósforos.

Desde que ilumine e esquente. Huuuuuuuummmmmmmm.

k

Durante a vida a gente conhece muitas pessoas, e tem aquelas que se tornam muito especiais.
E a vontade que a gente tem é de mantê-las pra sempre por perto, nunca perder quem nos faz tão bem.

Só que a vida parece um trem que não para.

E as pessoas sobem e descem nas estações enquanto a gente continua. E não adianta querer interferir, se a gente força algo estraga o conjunto inteiro. Temos que deixar levar.

Mas deixar levar é sofrido, então pensamos que seja algo errado, porque nada que é bom faz a gente sofrer.

Pois é, na vida existem contradições. As linhas às vezes são tão tortas que a gente nem percebe que Deus tá escrevendo certo, afinal.

A perda faz parte da vida. Não dá pra controlar: uma hora as pessoas descem do vagão.

Porém outras sobem, muitas outras durante a viagem.

Poucas ficam até a última estação, quando também descem.

Só a gente chega no destino, sem ninguém, porque é assim que a gente subiu no vagão pra fazer a viagem.

E é assim, e assim será.

k