agosto 2007


Edinei!!! Minha amiga maisi linda com nome de homem… tô sentindo muito a sua falta!!! Tô precisando muito dar umas risadas, vê se aparece, porra… que saudade!

Espero que não tenha me esquecido (e que não tenha esquecido a senha desse blog também rsrs).

Beijos

k

Tô entrando no metrô. As pessoas conversam e brincam mas hoje eu tô meio sei lá. Não presto atenção, tudo se move mas aqui dentro tá quieto, pensando. Sozinha.

As pessoas vão embora e eu me sento na janela. Tá tudo escuro na maior parte do tempo, e aqui dentro também vai escurecendo. As estações são como manchas coloridas que passam muito rápido e logo somem. Por que tem de ser assim? Nada dá certo o tempo todo, mas tô cansada de ficar sozinha desse jeito. Vai fazer 1 ano já. Tudo bem que eu me sentia sozinha antes de terminar, mas sentia também uma segurança.

O trem vai muito rápido, e rapidamente vai crescendo a minha raiva. Alguns caras vieram e foram embora, nenhum ficou na minha vida. Acho que o problema é comigo. Sou legal demais, não faço tipo prá agradar. Não sou a mocinha submissa, nem a vaidosa, a cheia de não-me-toques, sou só eu aqui. Transparente. Sem medo de parecer ridícula, sou assim.

De repente o trem chega na superfície, a luz do dia atrapalha a visão e me acorda. A escuridão acabou então, abriu-se em dia de céu nublado. A esperança não morre.

Mesmo nublado, é dia claro ainda. Ainda existe luz.

k

Iguana


Sempre precisei imaginar, criar ilusões sobre o mundo à minha volta.

Não consigo ser realista, preciso de fantasia sempre.

Parece um vício.

Se tudo fosse real, preto-no branco, será que seria mais fácil viver?

k

 

Domingo, Sunday, sun-day, dia do Sol.

Sol Invictus, ou o que questionava tudo e todos… até parece eu!

Domingo. Eu odeio o domingo. Desde a mais tenra infância. Minha mãe dizia que eu chorava de me acabar, porque era o dia em que a gente voltava do camping, depois de um fim-de-semana pitoresco na barraca, no meio do bosque. Comecei a acampar com 6 meses de idade.

Apesar da depressão, existia também uma expectativa de alguma coisa melhor acontecer. Eu tenho esses sentimentos no domingo desde sempre. Claro que, com o tempo, os objetos dos meus devaneios dominicais foram mudando, mas a sensação é exatamente a mesma.

Estava com os meus pais na sala, à noite, lendo jornais e revistas, esperando ficar rica da noite pro dia, prá poder ganhar aquela boneca que eu tanto queria… não via a hora da semana começar prá voltar a ver o meu amorzinho da escola, e triste por ficar uma semana inteira sem ver o meu amorzinho do camping. Louca pra assistir o Xou da Xuxa. Triste por ter de ir na escola lá no outro país, que eu odiava… só queria viajar por aqueles lugares, onde ninguém me conhecia, tipo entrar no carro à 1 da manhã e só sair dele no outro dia, em Andaluzia, na beira do Mediterrâneo, na cidade onde nasceram meus bisavós. Ansiosa, quase ficando doida pois no dia seguinte começariam minhas aulas, e eu não conhecia ninguém. Aqueles programas ridículos na TV que só serviam para piorar a situação toda… e continuam toscos até hoje.

No frio, a tristeza de saber que teria de acordar muuuuiiiiiiito cedo no dia seguinte… e no calor, a tristeza de saber que teria de ficar enfurnada na escola/trabalho com aquele dia fantástico.

Hoje é domingo, e sinto as mesmas coisas… e sentirei as mesmas coisas nos domingos vindouros, até o dia em que acabar minha jornada corpórea.

Tem coisas que nunca mudam. O domingo, a melancolia, a expectativa, eu.

k

 

Apenas para postar minha indignação com atitudes de pessoas, atitudes essas que nós simplesmente não entendemos, que achamos ridículas e sem nexo, mas por termos consideração por esses seres humanos, não falamos nada. Apenas damos aquele sorriso amarelo na presença da pessoa, e quando ela não está mais ao alcance dos nossos ouvidos, nos indignamos, xingamos e etc.

O que ele(a) quer com isso???????

Pior que as pessoas só percebem que pisaram na merda quando sentem um fedozinho que não sabem de onde vem aí resolvem olhar para os sapatos. Mesma coisa. E no fundo, a gente fica com dó, porque também passamos por esse tipo de coisa.

O que resta então, é esperar… ver se a pessoa se toca. E prestar atenção pra não darmos dessas também rsrsrs.

São agruras da vida na terceira dimensão, um dia isso passa.

k