dezembro 2006


1. “Guardar rancor é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra”. – W. Shakespeare.

2. Hummm… como é que é aquele pensamentinho?? Ah! “Uma porta se fecha, abre-se outra”. – Sei Lá De Quem É Esse

3. Fiz coisas que JAMAIS farei novamente por alguém.

4. Descobri como é ter que abrir mão das coisas, muitas vezes de má vontade só prá agradar (sem saber se ia compensar ou não).

5. Descobri como é a sensação de estar entregue, vulnerável, ficar sem chão… e como é ter alguém sentindo isso por mim.

6. A vida é feita de ciclos, e demorou pra entender que esse tinha acabado… mas um dia eu me toquei.

7. “Não devemos ter vergonha dos erros que cometemos quando aprendemos com eles. Pelo contrário, quando tiramos liçôes de experiências vividas devemos sentir orgulho, pois é assim que se evolui”. – Esse é meu mesmo.

k

Anúncios

Essas fotos são comprometedoras… rsrsrs

Na verdade achei legais as caretas, achei legal a (tosca) montagem, mas não tinha pensado em colocá-las para todos (os muitos) que passam por aqui observarem. Aí hoje pensei “Quer saber?”. Coloquei.

Pensei, primeiro, em postar no orkut, prá tirar onda mesmo. Todo mundo procura pôr as fotos em que se está melhor, os melhores ângulos, fotos de festas ou baladas em que se está todo produzido(a), em suma fotos posers. Já vi em mais de um álbum uma foto su-uper poser com a legenda da musiquinha da Albany: “Diferentemente lindo/ surpreendentemente belo/ não me compare, sou incomum”. Incomum é uma fotinho modelete??? Tudo bem, uma vez por ano vá lá…

Bem, voltando à minha decisão de postar as caretas. Como o orkut é totalmente superficial, desisti da idéia porque tenho certeza de que não seria compreendida (novas). Resolvi deixá-las aqui, então. Bom, estou horrível mesmo nessas fotinhas rsrsrsrs. Até meu ex-namorado ficou com ânsia quando viu. Mas sou várias pessoas nestas imagens. Qualquer um que nunca tenha me visto antes, ao ver estas fotos não tem a mínima idéia de como é a minha aparência de verdade. Isso também vale para as fotos modeletes, a principal diferença é que as caretas são autênticas, naturais.

Quando a gente está com outras pessoas, ali, convivendo, a gente faz várias caretas, ri, chora, tem nojo, faz coisas bestas. Não estamos sempre maquiadas, na luz certa, na pose certa. Na verdade, não existem poses. Às vezes os dentes não estão limpos porque acabou-se de comer algo. Às vezes o cabelo não está limpo e arrumado por diversas razões. Às vezes a gente espirra e fica uma melequinha que a gente não vê. Uma remela que a gente esquece de tirar de manhã. Um peido solto sem querer. Um arroto. Um tropeço, uma engasgada. Nós somos isso, nós nos expressamos. São nesses momentos que a gente percebe a graça da vida.

Penso que, mais “triste” do que as minhas caretas é não saber se expressar. Não saber mudar, não ter coragem de parecer feio ou ridículo, porque a gente é tudo isso várias vezes ao dia. A gente não vê, mas o resto do mundo sim, então prá que esconder???

Assumamos que somos ridículos e feios às vezes. E que isso é lindo.

k