maio 2006


Ditas por amigos meus quando morei lá:

“O feminino de anão é anoa.”

“Quando espremo uma borbulha (espinha), sai um líquido vermelho.”

“Achas que eu devo tomar banho hoje?”

“Quando as nuvens se movem não é o vento, é a Terra a girar.”

“Escreve algo aí em brasileiro.”

k

CLIQUE EM CIMA

Todos os dias ele vivia sua rotina de ir para o trabalho, fazendo sempre o mesmo trajeto com seu carro.

Havia um enorme cruzamento na enorme avenida, e ele sempre virava à esquerda.

Um dia, pensou no que havia à direita. Até onde ia a avenida? Durante meses, sempre que pegava o farol vermelho no cruzamento, o homem olhava para a direita, intrigado com aquele caminho novo. Para onde será que ele iria se pegasse o caminho oposto?

E, certo dia, pegou. Dane-se tudo, foi embora. A avenida era bem mais extensa daquele lado, aquela imensidão, tudo lindo, parecia que não iria mais ter fim!!!

Mas teve.

Chegou num bairro desconhecido. A avenida acabou. Perdera-se, que merda, olha onde tinha ido parar. Terra de Ninguém, que bairro estranho aquele. Onde acharia um retorno naquele antro? Idiota, chegaria atrasado no serviço.

– Isso é pra você aprender – pensou – a não sair por aí tomando rumos que não conhece. Besta.

k

A primeira impressão que eu tenho das coisas quase nunca corresponde à realidade.

Gostaria de ter um dispositivo que me informasse: isso vale a pena, isso não; essa pessoa é legal, essa não. Me pouparia muito esforço e sentimentos, pois eu só os “gastaria” com quem/o que realmente merecesse.

Gostaria também que as pessoas olhassem através de mim. Que conseguissem ver quem eu realmente sou. Porque eu tenho uma aparência, um jeito, uma atitude que espanta. Na verdade, eu não sei descrever exatamente o que é, mas eu sei que afasta. E às vezes afasta quem eu gostaria que estivesse próximo.

Dizem que os geminianos tem duas pessoas dentro de si. Eu tenho a que todos vêem e a que poucos vêem. A primeira, de “fora”, é a que me incomoda, porque eu não tenho muito controle sobre ela, nem sei como ela é de verdade. Parece que nem sou eu.

A de “dentro” eu queria muito apresentar pra algumas pessoas.

k

Sinto uma saudade não sei de quem,

uma vontade de ir não sei onde,

um tesão não sei pelo que,

um aperto que não sei de onde vem.

Quero me esconder não sei do que,

quero me livrar do que já não me serve,

quero fugir pra algum lugar,

quero achar aquilo que eu procuro.

Acho que isso não vai dar em nada.

Acho que isso, no momento, é tudo.

k

Efeito Borboleta – Essa é a coqueluche dos anos 2000. A dos anos 90 foi Ghost, o filme favorito de dez entre dez candidatas de concursos de beleza, e de 90% da humanidade.

Eu gostei do filme, apesar de ser um tema batido e ao mesmo tempo não ser, por tratar-se de viagens no tempo, mas feitas através das memórias do protagonista.

O que me fez gostar deste filme é o fato de que eu já fiz, muitas vezes, mudanças que julguei necessárias em certas memórias, como recomendado por uma psicóloga de PNL com quem eu me consultei por um tempo. Certa vez, ela pediu para que eu congelasse uma imagem de uma lembrança desagradável e me disse para alterá-la, de forma que o meu sofrimento fosse “anulado”.

Desde então eu comecei a fazer isso com algumas lembranças ruins, principalmente dos tempos de escola, em que eu era ofendida por alguns “colegas” por ser diferente. Se eu melhorei meus problemas de rejeição? Sim, mas acho que não foi totalmente devido à isso, porque eu deveria ter reprogramado mesmo as lembranças, e no entanto eu só “ajeito” as memórias quando alguma aparece e me incomoda.

Às vezes eu mergulho nos “ses”: se eu tivesse feito de outra forma, se eu tivesse falado tal coisa, ou se eu não tivesse feito ou falado nada. Isso é que é a parte chata do negócio, e acho que é isso que o cara quis mostrar no filme, que não sou só eu, ou você, que temos essas paranóias de querer voltar e fazer diferente, mas que todo mundo um dia já pensou nisso rs.

Mas de certa forma, acho a “reprogramação” um jeito bem legal de lidar com lembranças ruins. Afinal, o único lugar em que a gente é realmente livre é a mente.

k

Próxima Página »